A ciência em tempos de pandemia

Do latim scientia, é o ramo do conhecimento sistematizado como campo de estudo ou observação ou classificação dos fatos atinentes a um determinado grupo de fenômenos.

Basicamente, o discurso científico se produz pela comprovação dos fenômenos físicos, químicos e biológicos.

Temos então o argumento de autoridade da ciência.

Por esta razão a Universidade é fundamental pois ela é que guarnece, produz e desenvolve a ciência, desde o século XII, isto é, há mais de mil anos no mundo.

Os povos devem muito às ciências médicas, biológicas e químicas pois graças a elas foram produzidas as vacinas, os remédios, os hábitos de higiene, os modos de precaução das endemias, dentre outros avanços.

Os críticos da ciência dizem que graças a ela foram produzidas as bombas atômicas, de hidrogênio e as sofisticadas armas das guerras.

Também graças ao uso da ciência e dos interesses econômicos das corporações que estão devastando o planeta.

O Brasil se enquadra naqueles países que não investem ou investiram, a longo prazo, na educação pública, universal e de alto nível para o povo, por isto tem campo fértil para discursos anticientíficos e de poucas luzes.

A ciência é produzida pelos cientistas, não porvivaldinos ou ignorantes.

Um piloto de avião não se forma por eleição, mas pela comprovação do domínio da teoria e da técnica. Ninguém entraria num avião cujo piloto foi eleito por determinadas pessoas, por critérios de simpatia, e que não passou por testes rigorosos de pilotagem.

Os políticos não são cientistas, são líderes que por meio de processos eleitorais conquistam seus mandatos, eles não podem negar ou desconsiderar a ciência.

Reza a Constituição que o estado brasileiro deve dar tratamento prioritário ao progresso da ciência.

Se os políticos ou a administração pública estão discursando e tomado medidas contra os postulados da ciência médica e da infectologia temos um estado de coisas inconstitucional, passível de ações criminais, cíveis e processos administrativos de afastamento dos agentes políticos e de servidores públicos.

Quem nem sabe o que é ciência e a despreza, não tem as mínimas condições de debater temas que demandam conhecimento científico.

Tentar pôr um fim na complexidade científica e afirmar que tudo é simples é a saída mais fácil para quem nega a ciência médica, a saúde pública e as grandes conquistas do conhecimento da humanidade.

Os setores esclarecidos do planeta devem comandar os rumos do combate à pandemia, hoje eles são representados pela Organização Mundial da Saúde e pela comunidade científica internacional, não por demagogos e parvos.

Claudio Henrique de Castro é advogado e professor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *