Evangélico e problemas

 

21/8/2014 – O jornal Gazeta Norte Mineira, de Montes Claros (Minas Gerais), noticia que o Grupo Soebras, vinculado ao ex-prefeito Ruy Muniz, “usou as empresas Única Educacional e Ambar Saúde, que têm vários processos judiciais e pedido de intervenção, para comprar o Hospital Universitário Evangélico, de Curitiba, pelo valor de R$ 259 milhões. Ele adquiriu a unidade em leilão realizado pela Justiça do Trabalho e usou o consórcio R+, formado pelas empresas Única Educacional Ltda., de Brasília, e Ambar Saúde, de Belo Horizonte. Ruy Muniz, sócio majoritário do grupo empresarial, teve dois dias de fama em 2016. O primeiro dia foi quando da votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Sua mulher, a deputada Raquel Muniz votou a favor e nos cinco segundos que teve para pronunciar seu voto, aproveitou para elogiar o marido como prefeito honesto. O segundo dia de fama de Rui foi já no dia seguinte, 1.º de setembro, quando foi preso sob acusação de improbidade. Pouco depois ele teve seu mandato cassado. Informações do blog Contraponto.

Péssimo retrato

O Congresso Nacional, que perto de terminar a legislatura nesse ano, tem um percentual de aprovação de leis impressionante: 1%. Um por cento dos projetos apresentados viraram leis. E que leis são estas? A maioria versa sobre efemérides, nomeação de ferrovias, aeroportos, rodovias e coisas do tipo.Os parlamentares escreveram quase dez mil projetos. É bom lembrar que em época de eleição, um dos motes dos candidatos a continuarem na política é apresentar o tanto projetos de leis que criaram.

 

Desconhecimento

O senador Alvaro Dias, candidato do Podemos à sucessão presidencial, é o menos conhecido entre os que disputam a corrida ao Palácio do Planalto. Segundo a pesquisa CNT/MDA, 55,2% dos eleitores entrevistados disseram que nunca ouviram falar dele. Dos que o conhecem, 27,9% não votariam nele de jeito nenhum; 1,6% votaria com certeza e 11,5% poderiam votar. Depois de Alvaro, é o candidato do MDB, Henrique Meirelles, o menos conhecido (40,5%) e sua rejeição é de 46,8%. Apenas 0,3% votaria nele com certeza e 8,5% poderiam votar.

Boa notícia

A venda de imóveis no país aumentou 17,3% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior. Em relação ao mesmo trimestre de 2017, houve alta de 32,1%. Os dados – divulgados pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), em São Paulo – consideram 21 cidades e regiões metropolitanas. Por regiões, o Norte se destaca com aumento de 40,7% nas vendas, seguido pelo Nordeste (34,7%). O Sudeste teve alta de 16,4% e o Centro-Oeste, de 6,7%. O Sul foi o único a apresentar queda: 1,1%. Os lançamentos de imóveis tiveram alta de 119,7% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre do ano.

Entre aspas

“A gente vai ter que fazer uma campanha franciscana. Deturparam tanto São Francisco que o ‘dando-se que se recebe’ virou prostituição. Mas então, campanha franciscana com a história na mão e a esperança na frente. Logo seremos informados oficialmente de quanto serão os recursos. Por outro lado, a gente tem que compreender que se dinheiro só se ganhasse a eleição era melhora a gente eleger os bancos e os banqueiros e o mercado para decidir tudo no Brasil. Não precisava ter eleição”. De Nelton Friedrich, candidato do PDT do Paraná ao Senado Federal.

Pergunta do dia

Como é que em 30 segundos um candidato a presidente da República pode expor, no rádio e na televisão, as suas propostas de governo? Infelizmente, a propaganda eleitoral privilegia alguns em detrimento de outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *